quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

ORAÇÃO DAS MÃES


Senhor:
Abriste-me o própio seio e confiaste-me os filhos do teu amor.
Não me deixes sozinha na estrada a percorrer.
Nas horas de alegria, dá-me temperança.
Nos dias de sofrimento, sê minha fôrça.
Ajuda-me a governar o coração para que meu sentimento não mutile as asas dos anjos tenros que me deste; e adoça-me o raciocínio para que a minha devoção afetiva não se converta em severidade arrasadora.
Defende-me contra o egoísmo para que a minha ternura não se transforme em prisão daqueles que asilaste em meus braços.
Ensina-me a corrigir com amor, para que eu não possa trair o mandato de abnegação que depuseste em meu espírito.
Nos minutos difíceis, inclina-me à renúncia com que devo iluminar o trilho daqueles que me cercam.
Senhor, auxilia-me a tudo dar sem nada receber.
Mostra-me os horizontes eternos de Tua Graça, para que os desejos da carne não me encarcerem nas sombras.
Pai, sou também tua filha!
Guia-me nos caminhos escuros, a fim de que eu saiba conduzir ao Infinito Bem os promissores rebentos de Tua Glória.
Senhor, não me desampares!
Quando a Tua Sabedoria exigir o depósito de bênçãos com que me adornaste a estrada por empréstimo sublime, dá-me o necessário desapêgo para que eu te restitua as jóias vivas do meu coração, com serenidade e alegria; e quando a vida me impuser, em Teu Nome,o desprendimento e a solidão, reaquece minh'alma ao calor do Teu Carinho Celeste para que eu venere a Tua Vontade para sempre.

Assim seja.

MEIMEI

(Do livro Relicário de Luz, Espíritos Diversos e mediunidade Francisco Cândido Xavier)

Um comentário:

Livinha disse...

Ai meu irmão
lindo poema postado...
É isto que me dar força
para prosseguir,
quando as vezes penso
que não sei pra onde ir...
As horas as vezes me são longas demais e sinto que o dia,
só não termina pra mim, para
o meu descanso, pois que mesmo
ao me deitar, meus pensamentos
viajam, rumando pra outro lugar...
Sei lá a onde ele se dá,
pois que viajo sem rumo, sem destino, sem mesmo saber
no que pensar...
É uma ausencia que espiritualmente
aprumo, somente pra não chorar...
Renuncia, meu Deus já foram tantas
que não sei mais a que renunciar,
sei apenas que me sinto sozinha
sem força pra continuar...
Penso que a vida foi covarde comigo,
fazendo por me atraiçoar,
pois antes eu fosse avisada
pra dar tempo de me preparar...
Que faço?
não sei.
Sei apenas que tenho que continuar
essa trajetória aflita,
embora diz ser bendita,
que eu faça por me reformar...
É uma cobrança danada,
sei que devo pagar
mas sinceramente, falo sério
estou meio ao climatério,
sem forças de reparar...
So me resta então
tudo a Deus entregar,
pois que a ele eu confio
a minha hora de parar...

Amo você...
Sem querer desabafei...
é triste a dor da saudade
do lamento, que sempre chega
como vento tirando tudo do lugar...
Bjss
Lívia...