terça-feira, 20 de janeiro de 2009

O OUTRO CONSOLADOR


Em o Evangelho segundo o Espiritismo (cap. I, item 6), Allan Kardec observa: “A lei do Antigo Testamento teve em Moisés a sua personificação; a do Novo Testamento tem-na no Cristo. O Espiritismo é a terceira revelação da lei de Deus, mas não tem a personificá-la nenhuma individualidade, porque é fruto do ensino dado, não por um homem, sim pelos Espíritos (...).”

Deus nos criou como Espíritos imortais em constante processo de aprimoramento. Criou o Universo e as Leis que o regem, dentre as quais a do Progresso que nos leva, gradativamente, à perfeição. Desde a fase mais primitiva da Humanidade, vem atendendo às necessidades do homem e em nenhum momento o abandonou. Essa assistência, todavia, sempre levou em consideração as conquistas já realizadas pelo trabalho do próprio homem.

Quando o homem iniciava o desenvolvimento de sua inteligência e de seus sentimentos, a Providencia Divina assistiu-o com as noções básicas da religião que veio com o totemismo, onde já se encontrava a mediunidade. Quando ele apresentava condições de melhor compreender os princípios da Justiça, enviou Moisés, com as tábuas da lei. Quando já se descortinava com a possibilidade de receber lições mais profundas sobre a vivencia do Amor, enviou Jesus para nos ensinar e exemplificar. Quando, ampliando o seu conhecimento nos campos da ciência, da filosofia, da religião e das artes, o homem já demonstrava a possibilidade de melhor compreender a Verdade, enviou o Espiritismo. E com o Espiritismo veio o conhecimento das Leis Morais, possibilitando a compreensão maior de tudo o que o cerca, da necessidade de progredir e dos meios necessários à sua evolução.
Sem duvida, a Doutrina Espírita constitui-se no “outro Consolador” a que se refere Jesus (João 14: 15-17), que veio no seu devido tempo para ensinar todas as coisas e recordar tudo o que Ele havia dito e praticado. Cabe-nos, pois, não apenas argumentar quanto à autenticidade do que a Doutrina Espírita é o Consolador prometido, mas, acima de tudo, demonstrar, pela qualidade da pratica espírita, que o Espiritismo representa a chave com a qual melhor compreendemos o Evangelho, e que com ele se descortinam os horizontes espirituais do homem, estimulando-o à pratica do amor ao próximo, em toda a sua plenitude, único caminho que realmente nos eleva moral e espiritualmente.
“15 Se me amais, guardareis os meus mandamentos; 16 e eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, 17 o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conhecereis, porque ele habita convosco e estará em vós.”
Editorial da Revista Reformador – Ano 122 – NO. 2101 – ABRIL 2004

“26 mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as cousas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito”
LE Questão no. 886 – Qual é o verdadeiro sentido da palavra caridade como a entendia Jesus?
“benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas”.
Questão 922 de O Livro dos Espíritos: A felicidade terrestre é relativa a posição de cada um. O que basta para a felicidade de um constitui a desgraça de outro. Haverá, contudo, alguma soma de felicidade comum a todos os homens?
“Com relação à vida material, é posse do necessário. Com relação a vida moral, a consciência tranqüila e a fé no futuro.”
Questão 793 de O Livro dos Espíritos: Por que indícios se pode reconhecer uma civilização completa?
“Reconhecê-la-eis pelo desenvolvimento moral. Credes que estais muito adiantados, porque tendes feito grandes descobertas e obtido maravilhosas invenções; porque vos alojais e vestis melhor do que os selvagens. Todavia, não tereis verdadeiramente o direito de dizer-vos civilizados, senão quando de vossa sociedade houverdes banido os vícios que a desonram e quando viverdes como irmãos, praticando a caridade cristã. Até então, sereis apenas povos esclarecidos, que hão percorrido a primeira fase da civilização.”
“A evolução é uma Lei Natural norteada por ciclos. Homens e instituições, idéias e fenômenos da natureza obedecem ao sublime princípio da “emancipação ordenada”. Nascer e renascer, infância e maturidade, semeadura e colheita.
O Espiritismo alcança seu período de maioridade. É a etapa na qual ocorre a ceifa. Instante divino de definições, tendo em vista o futuro de expansão e glória a que tudo e todos se destinam na vida. Esse ciclo de ceifa orienta-se pela separação do “joio e do trigo”. Após crescerem juntos, é mister discernir para que servirá o fruto da plantação.(Livro Lírios de Esperança – Ermance Dufaux (espírito))

2 comentários:

Livinha disse...

Ô josinho, que lindo está teus escritos, a gente se sente tão mais proximo do Divino...
Sentimos Paz quando fazemos a leitura, procurando compreender e estudar mais as lições...
Deus é tão bom, mas nós ainda seres tão vazios e endurecidos, temops tanto a lapidar.
O importante é prosseguir incansavelmente, sem desistir, persistindo sempre para ao fim da jornada festejar em nossa eterna morada a travessia, na conquista dos nossos méritos e ver o quanto valeu à pena a caminhada....
Que Deus nos abençoe....

PS: Passe lá no meu recanto, sinto falta de sua presença por lá...
Bjs
Livinha

Josinaldo Lacerda disse...

Obrigado mana querida! O mundo está mesmo em mudanças e certamente Deus assim quer,pois o nosso planeta precisa mesmo alcançar o status de mundo civilizado, mas, isso só será possível com o espírito de fraternidade que destruindo a miséria moral fará com que a economia planetária seja a favor de toda a Humanidade, sem mais a presença fatídica dos excluídos. Tenho visto as suas poesias e vejo nos seus sentimentos e recordações a presença divina e isso te tornará cada vez mais inspirada para falar com o coração de quem ama. bjs josinho